Restaurantes que vão além de seus pratos principais

restaurantes-que-vao-alem-do-seu-produto-principalRestaurantes: um dos negócios mais rentáveis no mercado é o alimentício. Pelo menos é o que muitos ouvem dizer quando decidem abrir um restaurante ou outro tipo de comércio de comidas. Ainda que seja verdade, isso também significa que a competição é grande e é preciso bastante esforço e visão para que o seu restaurante se destaque entre os outros.

Alguns pontos são básicos e é provável que você já saiba deles: localização, cardápio, bom atendimento, tudo isso é, realmente, vital para o sucesso da empresa. Veja o artigo que escrevemos sobre Como melhorar a experiência de um cliente na espera por uma mesa. Esses fatores, porém, são apenas o pontapé inicial, o indispensável. O que você precisa para fazer com que o restaurante vá mesmo para frente é um diferencial.

Lembre-se que ir a um restaurante não é uma obrigação do cliente. Ele não está consumindo naquele local apenas para saciar sua fome; ele saiu de casa, enfrentou clima e trânsito para chegar até ali e, na maioria das vezes, não está sozinho. É claro que podem existir situações em que a ida ao restaurante seja apenas uma escapatória, mas no fim das contas, se o cliente realmente quiser apenas uma comida qualquer, ele pode se alimentar em casa ou em qualquer fast-food. Se ele foi até o seu restaurante, é mais provável que ele esteja considerando aquilo como um passeio, um mimo a si mesmo e seus acompanhantes, a melhor opção do dia ou da noite.

Para que ele chegue a essa conclusão, é preciso providenciar uma experiência que vai além da comida. Dessa forma, o sabor e os cheiros irão se acentuar na memória daquela pessoa e o mais provável é que ela queira voltar.

Como tornar a ida do cliente ao seu restaurante uma experiência agradável e memorável? Talvez algumas dicas possam ajudar:

Restaurantes: Identifique seu público-alvo e aja de acordo

Dependendo da localização, horário de atendimento e tipo de refeição oferecida, seu restaurante pode atrair algum grupo específico. Por exemplo, se for um restaurante noturno e romântico, espera-se que casais sejam os principais consumidores e, portanto, é ideal que existam muitas mesas para dois e uma iluminação mais baixa. Caso seja um restaurante familiar ou para amigos, mesas grandes e música animada podem ajudar, desde que nada atrapalhe a conversa entre os clientes.

Escolha a melhor decoração

Seu restaurante pode ser temático, o que com certeza atrairá muitos olhares, principalmente se toda a decoração estiver harmoniosa e completa. Mesmo que não exista um tema específico, é interessante que existam alguns quadros ou cartazes que passem a sensação desejada (de acordo com o público-alvo já mencionado).

Interaja com o público

Além de um atendimento solícito e simpático, clientes também adoram ter com o que se distrair enquanto esperam pela comida ou mesmo depois que se alimentam. Pense em brincadeiras ou curiosidades nas mesas e guardanapos, lousas nas paredes abertas a recados, uma jukebox eletrônica ou concursos rápidos: tudo é válido desde que aprimore a experiência do cliente.

Use a tecnologia a seu favor

Libere o Wi-Fi nos restaurantes, sugira um feedback nas páginas do restaurante, faça uma promoção online, pense fora da caixa. As pessoas gostam de continuar conectadas, então garanta que elas não esqueçam onde estão enquanto isso.

Apresentações brilhantes: Saiba como fazer a sua e impressionar

apresentacoes-brilhantes-faca-a-sua-e-impressione

Apresentações são parte frequente da vida de qualquer pessoa. Seja durante os estudos, desde o ensino fundamental até a faculdade, seja durante uma carreira profissional, é inevitável que todos precisem realizar uma apresentação em algum momento. Muitos elementos compõe uma boa apresentação e não adianta dominar apenas um deles para impressionar seu cliente (ou professor, ou sócio…).

Listamos algumas dicas que podem ser úteis para tornar as suas apresentações inesquecíveis.

 Apresentações e a noção do medo de falar em público

É comum que exista um grande receio no ato de se apresentar. Esse é um dos medos humanos mais comuns e aprender a lidar com ele é fundamental para ter uma boa oratória. Lembre-se que mesmo as pessoas para quem você está se apresentando já passaram por isso e estiveram provavelmente tão nervosos quanto você.

Faça um planejamento prévio

Não é só uma questão de decorar o que dizer, mas de ter um plano. Escreva os pontos que serão levantados, estude o tema abordado, analise qual a mensagem geral a ser transmitida e adiante qual a conclusão a que você quer chegar. Prepare-se também para possíveis perguntas dos convidados.

User o Power Point com moderação

Por mais que seja uma ferramenta muito útil para apresentações, é preciso ter consciência no uso do Power Point. Textos grandes e que exigem sua leitura não só te colocam de costas para a plateia (um erro enorme) como também é cansativo para todos. As pessoas tendem a ler textos em slides bem mais rápido do que o apresentador consegue enunciá-los, então até você terminar a leitura, os espectadores já estarão entediados ou divagando. Aposte em frases rápidas e curtas, que vão direto ao ponto e, principalmente, aposte em imagens e infográficos. Esses são os reais motivos para se usar o Power Point: auxílio visual, não peso morto.

Faça da sua apresentação uma boa história

Algumas coisas sempre são encontradas em histórias. Um vilão, um herói e um clímax, por exemplo. É interessante que você formule suas ideias para que elas passem a sensação de um problema (o vilão), uma resolução (o herói) e um modo de chegar lá (o clímax). Isso tudo deve ser estruturado da mesma forma que toda narrativa: com começo, meio e fim. Dando a ideia para o público de que sua fala será assim, as chances de que se cansem diminuí bastante.

Atente a presença de palco

Além da voz, você também será avaliado por sua postura, ainda que inconscientemente. O ideal é que se ensaie bastante antes de uma apresentação para que, uma vez dominado o conteúdo a ser falado, você possa dar atenção também à sua linguagem corporal.

Faça com paixão

Se você tiver um interesse real no que está apresentando, não precisa (e nem deve) esconder esse fato. Desde que não exagere, falar sobre o assunto com paixão fará com que sua fala saia natural e convença seus convidados. Estar entusiasmado é um fator positivo, e você pode incluir algum humor sem perder a essência da narrativa.

Transmissão de apresentações

Com o avanço da tecnologia é possível fazer um apresentação de maneira mais moderna e a distância, atingindo assim clientes e prospectes que estejam a uma grande distância da sede física da sua empresa. Diversas plataformas conseguem além de transmitir, adicionar gráficos, arquivos de apresentação, enquetes, interligar-se com as redes sociais e muito mais. Muitos possuem versões gratuitas para testes.

Com tudo isso em mente e com seu próprio empenho, você conseguirá realizar apresentações inesquecíveis rapidamente.

Truques das propagandas de comida

truques-das-propagandas-de-comidaPropagandas de comida: Vamos imaginar a seguinte situação. Você acabou de almoçar e decidiu se sentar no sofá para assistir televisão. Em seguida, começa um comercial de um refrigerante ou sorvete que lhe dão água na boca. Você até poderia estar satisfeito (a) antes, mas bastou ver a propaganda para que a vontade de comer algo diferente voltasse com tudo.

A propaganda, por vezes, é tão chamativa que é capaz de nos fazer sair de casa para comprar o produto em questão (caso ele esteja em falta no ‘estoque’ de casa).

Mas afinal, porque será que as propagandas de comida conseguem provocar esse efeito em nosso cérebro – ou mais especificadamente, como elas conseguem mexer com o paladar e olhos ao mesmo tempo?

Se você também está curioso, não hesite em ficar com a gente neste artigo para conhecer quais são os principais truques utilizados nas propagandas de comida. Preparado (a)?

Propagandas de comida: O segredo de tudo!

Minkhy Le é um produtor australiano que, há alguns anos, decidiu revelar os truques utilizados em propagandas envolvendo alimentos.

O nome da sua série, com três diferentes vídeos, é “Real Food but not Really”, o que na tradução literal significa: “comida de verdade, mas não completamente”.

Nas principais redes de fast food essas imagens eram exploradas em cartazes, recentemente a comunicação migrou para telas digitais onde os produtos ganham ainda mais destaque com animações gráficas.

Na série, ele mostra como ocorre a preparação de três diferentes alimentos para propagandas: hambúrgueres, sorvetes e refrigerantes.
A seguir, vamos mostrar para você as diferenças.

Como são preparados os hambúrgueres de propagandas

Primeiramente, vamos falar dos queridinhos hambúrgueres – que aparecem cotidianamente em incríveis propagandas televisivas.

Para que fique com aquele aspecto apetitoso e bem bonito, a carne do hambúrguer não é 100% grelhada, mas apenas dourada em pontos horizontais bem estratégicos para chamar a atenção do nosso cérebro. Essas marquinhas são feitas à mão e, para que ele fique ainda mais interessante, uma leve camada de corante também é aplicada.

Tomates, alface, picles e quaisquer outras saladas são presas ao hambúrguer com alfinetes, para que não caiam uma acima das outras.
E para trazer o volume desejado, algumas bolinhas de algodão são inseridas na parte de trás.

E os refrigerantes?

A propaganda de refrigerante é quase que integralmente forjada: só para você ter uma ideia, tanto o refrigerante como os gelos não são reais.

Para fazer as gotinhas, interpretadas pelo nosso cérebro como algo refrescante, um simples borrifador de glicerina é utilizado. Em seguida, água com gás é utilizada no lugar do refrigerante – sendo ela adicionada a um corante para ganhar a cor da bebida em questão.

Por fim, os sorvetes

Você já deve ter parado para pensar como é que o sorvete não derrete durante a propaganda. Na realidade, ele derrete – motivo pelo qual também NÃO é utilizado no comercial.

A massa utilizada nos comerciais para ilustrar o sorvete é uma massa feita com creme específico para cobertura de bolos com açúcar de confeiteiro. Essa massa pode ser modelada e tem uma textura bem uniforme.

A calda do sorvete é calmamente aplicada a ela por meio de uma seringa e, por fim, os confeitos coloridos são espalhados pelo mesmo.

E aí, ficou surpreso (a)?

Empresas sustentáveis – Preferência das novas gerações!

empresas-sustentaveis-e-as-novas-geracoes

Empresas precisam de inovação. Esta é um das palavras mais repetidas quando tratamos de assuntos relacionados ao mercado. Inovação em produtos, em serviços, em processos, em atendimento ao cliente, dentre diversas outras áreas. Isso tudo indica que a inovação é de fato um importante diferencial competitivo em um mercado cada vez mais competitivo e com consumidores mais exigentes. Mas muitos se esquecem de que a sustentabilidade também é algo que deve ser levado em conta.

Quando falamos em sustentabilidade, não estamos nos referindo apenas à ambiental, mas também a sustentabilidade financeira, ao compromisso social, valores que realmente inspiram e causam identificação com o consumidor e público em potencial.

A geração ‘y’ ‘x’

Parte desta significativa alteração na forma de fazer negócio advém da forma de pensar dos nativos digitais. Apesar de nascerem em uma geração sem gera, estas pessoas enfrentam cotidianamente os desafios de um mundo com grande disparidade social e consumo exagerados dos recursos naturais.
Impulsionados pela tecnologia, a vida das pessoas destas gerações tem outros valores, como a sustentabilidade ambiental, traduzida na escolha de usar meios de transporte alternativos, de reciclar roupas, de reaproveitar tudo o que for possível; na criação de redes de colaboração voltadas à aquisição e compartilhamento de conhecimentos, de apoio a causas voluntárias; e a sustentabilidade financeira, na qual já não é mais tão importante ter uma casa própria, um carro, outros tipos de bens móveis e imóveis.
São as pessoas desta geração os maiores consumidores atuais, que por sua vez influencia o modo de pensar, agir e consumir de outras gerações também consumidoras. Assim, para que as empresas continuem a lucrar é preciso se adaptar a este novo perfil de consumidor, e isso é feito através da chamada filosofia da empresa.

O papel das empresas

Diante de tudo o que foi dito acima, já não é suficiente que as empresas forneçam produtos e serviços de qualidade. É necessário que elas tenha a capacidade de estabelecer relações com os consumidores, e essa relação surge a partir dos pontos em comuns que elas têm com os mesmos.
Esta relação é extremamente importante, pois é ela um dos principais balizadores no momento da tomada de decisão de compra. Portanto, neste momento o consumidor leva em conta os valores e a visão da marca, bem como as causas que a mesma apoia e/ou defende.

Para entendermos melhor esta relação, podemos citar o exemplo da marca de roupas fitness Ivy Park, da cantora Beyonce. A fábrica asiática que produzia as peças pagava cerca de 13,5 mil rupias por mês ao trabalhadores. No entanto, segundo ONGs competentes, o mínimo para sobreviver no país é de 43 mil rupias, caracterizando o trabalho como escravo. O resultado foi uma imensa campanha de repreensão à marca (e a própria cantora) nas redes sociais e vendas abaixo do esperado, já que um maiô da marca, produzido a um custo baixíssimo, chega a custar US$ 140,00.

Este é um ótimo exemplo para perceber o quanto o mercado se alterou, e que hoje, em sua raiz, a identificação com aspectos sociais, culturais e financeiros do cliente com a marca é o fator mais importante para conseguir conquistar e fidelizar clientes.

Trabalho em Equipe – Conheça o poder

trabalho-em-equipe-conheca-o-poder

Trabalho em equipe é uma forma de tornar um grupo mais unido e, quando bem executado, tem reflexos positivos na produtividade. Ao realizarmos uma atividade em conjunto, temos de conviver com pessoas que possuem características e aptidões variadas. Em decorrência disso, pode-se considerar o trabalho em equipe como um tipo de reação em cadeia porque as ações de cada integrante se refletem no resultado final.

 

Durante a nossa vida acadêmica, somos incentivados desde o começo a socializar, bem como a fazer tarefas com outros colegas. Esse método visa justamente preparar os alunos para o futuro, onde atuaram com indivíduos com habilidades e temperamentos distintos em seu ambiente profissional. Ou seja, o ideal é o que aprendizado se dê ainda na infância.

 

Na universidade, o poder do trabalho em equipe fica ainda mais claro para os jovens, tendo em vista que muitos dos artigos e apresentações dependem do esforço conjunto. Outro exemplo bem claro nessa fase é a organização da formatura, pois é preciso que a comissão inteira colabore para que tudo saia conforme o planejado.

O trabalho em equipe em diferentes áreas

Em ofícios relacionados à comunicação, saber trabalhar em conjunto é imprescindível por causa das muitas áreas que o setor abrange. Há os profissionais especializados em mídias sociais, em criação e redação, entre outros. Nesse caso, cada colaborador contribui com as suas qualidades para a tarefa em questão. No entanto, o diálogo se faz fundamental para que o andamento do trabalho esteja alinhado em todas as etapas do processo. Previne-se assim os ruídos ocasionais na comunicação ao longo do percurso.

 

No planejamento de eventos, o habitual é que haja uma equipe nos bastidores de um job, no desenvolvimento de uma campanha ou na produção de algum conteúdo informativo. Por isso, é necessário entender desde o início o que se espera de cada participante e que raramente a meta será alcançada por uma única pessoa. Alguém pode assumir o papel de gestor e distribuir as incumbências, mas todos têm de assumir a sua parte para que ninguém fique sobrecarregado.

 

Startups – Exemplos de trabalho em equipe

 

Os projetos de startup são mais um formato de negócio que se baseia no poder do trabalho em equipe. Essas iniciativas reúnem sujeitos que apresentam interesses em comum e que estejam dispostos a investir em um novo tipo de empreendimento. Hoje, tal tendência encontra-se em amplo crescimento no Brasil e no resto do mundo. Juntos, as pessoas podem debater ideias e procurar soluções criativas para os problemas que surgem durante a trajetória. Portanto, deve sempre haver espaço para o diálogo entre os membros do grupo, já que o engajamento tem de ser geral.

 

O trabalho em equipe pode ser definido como um exercício de conversação, paciência e concessão. Isso porque os espaços de fala precisam ser respeitados e as propostas merecem ser escutadas. Quando houver um acordo, o próximo passo é testar a sugestão e analisar o retorno. Conclui-se então que há inúmeras provas das possibilidades viabilizadas pelo trabalho em conjunto em praticamente todos os segmentos.

Feedback: Como impulsionar os talentos da sua empresa

feedback-como-impulsionar-os-talentos-da-sua-empresa

Muito se fala a respeito da importância do Feedback, mas muitas empresas ainda não conseguem colocar isso em prática. O Feedback, nada mais é do que um retorno, dado pelo líder imediato para o funcionário, a respeito de seu desempenho na equipe da empresa. É uma ferramenta importantíssima para garantir que ambas as partes saibam claramente quais são os objetivos a serem conquistados, metas e prazos.

Ele pode ser negativo ou positivo, mas o importante é que seja feito de forma respeitadora e de preferência, individualizada.

Feedback funciona?

Pesquisas recentes realizadas no mundo todo, comprovam a eficácia do feedback para o desempenho dos funcionários. Independentemente da área ou até do cargo que ocupam, as pessoas se sentem mais motivadas, valorizadas e compreendem muito melhor o que a empresa espera delas quando o feedback é dado pelo seu gestor.

Ou seja, passam a produzir mais e melhor e conquistam mais rapidamente as metas e objetivos estabelecidos, já que tudo é feito às claras e de forma constante. As pesquisas também indicam que os próprios funcionários percebem esta diferença e preferem o método de feedback à antiga e tão utilizada avaliação de desempenho.

Mas é preciso ter cuidado. Para que o feedback traga realmente resultados tão positivos, é preciso que a técnica seja aplicada com cuidado e atenção. Não basta apenas dizer que o trabalho realizado não estava à altura ou que o funcionário não está produzindo conforme o esperado.

Veja a seguir algumas dicas valiosas para melhorar o feedback e aproveitar os benefícios que ele proporciona para a equipe e toda a organização.

1. Quem faz o feedback é o líder direto

Toda equipe precisa de um líder que esteja sempre presente e por dentro de todas as atividades da equipe. E é este líder que deve dar o feedback para cada um dos membros de seu time. Nada de terceirizar para os recursos humanos ou para a diretoria.

2. Deve ser individualizado

O feedback é uma conversa privada entre líder e funcionário. Não diz respeito aos demais membros da equipe e nem outros departamentos. Por isso, o líder deve se preparar para conversar com cada pessoa individualmente.

3. Respeito e franqueza são as palavras – chave

O feedback tem como objetivo motivar e ajudar o funcionário a encontrar o melhor caminho caso ainda esteja cometendo erros ou falhas. O líder tem a obrigação de apresentar caminhos para resolver os problemas e indicar formas para que ele alcance os resultados. Somente criticar, não terá nenhum resultado positivo.

4. Elogie e reconheça as vitórias

Todos nós gostamos de ser valorizados e elogiados pelo esforço que fazemos. Em todos os feedbacks aponte sempre os pontos positivos e quais são os pontos nos quais o funcionário está acertando. Assim, além de tentar melhorar o que ainda não está tão positivo, ele manterá aquilo que é valorizado pela empresa.

5. Seja constante

O período do feedback pode mudar de uma empresa para a outra. Mas o ideal é fazer isso com uma boa frequência, para que problemas possam ser corrigidos e bons resultados sejam reconhecidos. Não deixe para fazer o feedback somente uma vez ao ano, quando pode ser tarde demais.

O papel do líder é inspirar, motivar e ser transparente nas metas e objetivos que a equipe precisa alcançar. Com o feedback, fica bem mais fácil de deixar tudo isso claro para todas as pessoas que fazem parte da equipe.

Eventos Corporativos – Gestão

gestao-de-eventos-corporativos

Eventos precisam de uma boa gestão, sejam eles internos ou externos, é uma dos maiores segredos do sucesso para uma empresa. Quando realizados para o mercado, ou seja, para clientes, parceiros ou fornecedores, as palestras, feiras e reuniões, têm como objetivo divulgar a empresa, produtos e ainda melhorar a relação aumentando a fidelidade.

Quando são realizados internamente, para funcionários, colaboradores e terceirizados, melhoram a produtividade e são como uma verdadeira valorização da empresa para aqueles que fazem tudo acontecer.

Mas coordenar e planejar eventos não é uma tarefa fácil e exige dedicação intensa por parte da equipe de marketing. Você sabia que existem algumas dicas que além de facilitar o trabalho, garantem o sucesso? Então veja a seguir e comece a colocar em prática agora mesmo!

1. Eventos e o foco nos objetivos

Não adianta organizar um evento atrás do outro se eles não têm um objetivo traçado. Antes de começar a organizar, é preciso ter em mente qual é a meta principal.

Você deseja aumentar as vendas de algum produto? Apresentar uma novidade para o mercado? Comemorar alguma data especial dentro da empresa? Com isso em mente, fica mais fácil definir qual será a abordagem a ser feita, convidados, atrações e até o local mais indicado.

2. Defina um orçamento

Se a diretoria da empresa não definir um orçamento, defina você baseando-se na quantidade total de verba do departamento, na quantidade de eventos que deseja realizar e no objetivo. Trabalhe sempre dentro do orçamento para não se perder e ter problemas no futuro.

2. Planeje o passo a passo

Não caia na tentação de deixar que as coisas aconteçam. Comece a planejar o evento com a maior antecedência possível e liste todas as atividades que devem ser feitas, com prazo para término e custo.

3. Escolha os fornecedores com cuidado

O melhor é contar sempre com fornecedores fiéis, que mantenham a qualidade dos serviços e possam garantir preços mais competitivos. Mas se ainda não os tiver, faça uma pesquisa minuciosa a respeito da idoneidade da empresa e a satisfação de clientes que já foram atendidos.

4. Delegue atividades

Divida as atividades com outros funcionários da equipe e defina qual será o papel de cada um. É importante que todos estejam cientes de suas responsabilidades e saibam com clareza quais os objetivos que devem ser conquistados,

Em alguns casos, você irá precisar terceirizar alguns serviços, como por exemplo, de copa, garçons, segurança ou recepção. Nestes casos, marque uma reunião com a equipe e passe todas as instruções, desde comportamentais a operacionais, sem deixar de informar qual é o tipo de roupa que deverá ser usada.

5. Prepare-se para o feedback

Um bom gestor de eventos está sempre de olho nos próximos acontecimentos. Então crie uma forma de pesquisar a satisfação do público do seu evento para verificar quais foram os acertos e os erros. Assim, você ficará ainda mais preparado para as próximas vezes.

6. O público-alvo é o mais importante

O público-alvo de um evento é o que definirá o tipo de atração a ser chamada, local onde será realizado o evento e até formato. Eventos para funcionários devem ser focados na motivação e na valorização enquanto para clientes e fornecedores, devem apresentar uma boa imagem da empresa e o desejo de satisfação de suas necessidades.

7. Transmissão online

É inviável o deslocamento de uma grande equipe caso sua empresa tenha sedes espalhadas pelo país. A transmissão de eventos online é a melhor solução para atingir este público que precisa acompanhar o conteúdo mas que está longe do espaço físico do evento. Além disso fornecedores e parceiros comerciais tem acesso fácil e podem interagir enviando dúvidas no bate papo ou mesmo compartilhando imagens e vídeos em tempo real.

Com estas dicas, vai ficar muito mais fácil organizar um evento de sucesso e alcançar os objetivos. Mãos à obra!